10/01/2018

2017: um ano difícil, mas surpreendente

   2017 foi um ano engraçado. Foi um ano em que eu esperava muitas coisas: que fosse um ano pesado, exaustivo, frustrante, desafiador. E, bom, realmente foi.
   O ano começou com a seguinte mensagem: "Você não passou na faculdade dos sonhos". Depois de um mês, sofrido, de espera, saia os resultados das minhas provas: primeiro o do ENEM, depois o da UNESP. E, nossa, foi uma bomba. Uma bomba poderosa, que conseguiu me atingir de uma forma que eu não sabia que era possível. 
   Eu lembro que eu estava pessimista, ao final do meu primeiro ano de vestibulanda, do meu desempenho dos vestibulares, contrariando a todos que diziam que eu passaria. E, no entanto, finalmente observar o meu resultado final foi devastador, decepcionante. Mais ainda, sentir aquilo, sentir aquela nota? Sentir como se você tivesse perdido uma batalha que havia sido tão árdua e que você havia dado todas as suas forças? Foi terrível. Foi frustrante. Foi destruidor.
    Eu nunca havia me sentido tão incapaz na minha vida. 
   Ainda, pior ainda foi ver a aprovação das outras pessoas. E o ego me maltratando a todo instante. "Olha só, todos eles passaram e menos você, viu? Olha como você é burra". E o que me veio, primeiramente, foram todos aqueles anos em que havia me dedicado aos estudos, em que eu havia dito para mim mesma que eu havia me esforçado tanto, abdicado uma possível (e idealizada) "vida social"  para me empenhar aos estudos, especialmente em 2016, e que não haviam valido para nada. Nada. Haviam sido um desperdício total. 
   E depois, o questionamento: por que? Por que eu não havia conseguido? Onde eu havia errado?  
   Todas as pessoas ao meu redor dizendo que haviam passado, todos aqueles comentários nos perfis dos futuros universitários parabenizando-os pela conquista, especialmente os dos meus antigos professores, que antes haviam me dito que eu era capaz. Eu. Por que não eu? Foi o meu principal questionamento: por que não eu?
   Pois bem, hoje eu sei a resposta para ela: pois eu não estava preparada. Intelectualmente, mas especialmente psicologicamente, socialmente, internamente.
   Foram tantas coisas que eu aprendi em 2017, tantas coisas que mudaram a minha forma de ver o mundo. Aconteceram-me tantas coisas nesse ano, tantas coisas que me acrescentaram tanto: confiança, determinação, força, e que me produziram aprendizados tão importantes! E que eu tenho a absoluta certeza de que, caso eu realmente tivesse passado no vestibular, eu talvez não os teria alcançado (ou teria, mas de uma forma mais tortuosa e sem o mesmo impacto que eles me produziram).
   Primeiramente, percebi que ser vestibulanda, acima de tudo, é ter a consciência de que os vestibulares não são justos, e portanto, a última coisa que eles fazem é avaliarem o nosso conhecimento (afinal, são muitos os tipos de conhecimentos que existem no mundo, e não são simplificados somente ao raciocínio lógico e capacidade de decorar conteúdos teóricos e didáticos). Dessa forma, estudar para passar na faculdade, infelizmente, não é resumido a entender toda a matéria do universo, e sim de analisar e perceber a maneira como cada vestibular cobra seu respectivos conteúdos, mesmo que muitos deles sejam totalmente irrelevantes para a sua futura vida acadêmica (ou para a sua futura vida mesmo).
    Segundo:  aprendi melhor a me relacionar com as pessoas ao meu redor, ou melhor, dei um grande passo para perder a minha fobia social (coisa que eu percebi que eu tenho faz um bom tempo). Foi até engraçado, na verdade, a maneira como eu me aproximei da primeira pessoa no cursinho, ambiente na qual a última coisa que eu esperava era conhecer pessoas tão incríveis! Pois eu lembro que eu fiquei mais ou menos uma semana sem conversar com ninguém, com medo, com receio de me acharem estranha, medonha, sem graça, desinteressante. Uma semana quebrando a cabeça, tentando elaborar um plano mental para poder me aproximar de alguém, assim como eu havia feito no ano anterior. E pois é, novamente eu me peguei tentando controlar coisas incontroláveis: a vida. Aliás, de novo eu fui surpreendida: no momento em que eu menos esperava eu puxei conversa com uma menina que estava sentada na mesa da cantina e que aparentava ser muito simpática, já que eu havia chegado cedo demais ali (assim como o ano inteiro, risos). E bem, hoje eu a considero uma das pessoas mais meigas, mais positivas e boas da minha vida, e que tenho tanto orgulho de ter conhecido!
   Isso somando ao fato que, ao pedir informações a uma então colega da minha classe no ponto de ônibus perto do cursinho, acabei por conhecer uma das pessoas que mais me fariam dar risada no ano inteiro: uma pessoa incrível, super do bem, e com quem eu criei uma intimidade tão grande em um intervalo de tempo tão pequeno! E isso foi incrível.
   Terceiro: comecei a me permitir entender que eu não sou perfeita e, estando especialmente no cursinho, eu não saberia todas as respostas do universo (na realidade, em qualquer lugar, nunca saberei, porque eu sou humana, não uma máquina). Portanto, tirar dúvidas com os professores ou inclusive com as próprias colegas não é a coisa mais humilhante da vida, pelo contrário. No cursinho a maioria dos professores foram tão incríveis que muitas vezes eles se sentiam lisonjeados em me ajudar. E essa bondade, essa empatia, esse acolhimento, num momento onde tudo o que queremos fazer é chorar e chorar e chorar por não conseguirmos saber de tudo, é tão bonito. É tão humano (ironicamente, em um ambiente e em um contexto tão desumano como o de estudar loucamente para fazer uma única prova).
   Em 2017 tive várias aprendizados, entre eles os que irei citar agora: nesse ano, eu percebi que existem pessoas tóxicas na minha vida e que eu tenho o total direito de querer tirá-las da minha vida, sem egoísmo, sem arrogância, sem ser a cuzona da história (porque na verdade mesmo as cuzonas mesmo foram elas, convenhamos). Comecei também a amar e a incorporar a minha forma de vestir sem medo de opiniões alheias, criando o meu próprio estilo. Em 2017, assumi descaradamente a minha atração por pessoas, por homens, porque eu também sou humana (inclusive por um professor, e meu deus, como foi difícil assumir isso). Assumi que eu tive crush por mais de três anos em um menino que nunca me notou, pela primeira vez, de uma forma descontraída, e isso foi engraçado e desafiador.
   Em 2017, consegui conversar ainda mais com mais pessoas sendo exatamente eu mesma, e essa sensação é indescritível. Em 2017, paquerei e beijei um crush pela primeira vez (e isso é sensacional!). Em 2017, dancei sem ter vergonha se eu estava parecendo um boneco de posto, e percebi, inclusive, o quanto a música mexe com a minha alma (me fazendo entrar em transe sem sequer ter ingerido alguma coisa). Em 2017, mudei completamente a minha forma de pensar sobre várias coisas, e percebi que eu preciso parar de ser uma esponja e necessito aprender as coisas pelas minhas próprias experiências, e não pelas alheias (porque tudo depende do contexto vivenciado, tudo é relativo!).
   Em 2017, consegui, pela primeira vez, me abrir para tentar me relacionar com alguém. E bem, nesse ano também tive a minha primeira desilusão amorosa; mas apesar disso, de ele ter me feito muito muito muito mal por ter me feito quebrar a cara e ter perdido um tempo enorme me iludindo, ele me fez bem também. Me fez sentir-me confiante, desejável, acolhida como eu nunca havia me sentido por nenhum cara. Foi a primeira vez que eu consegui conversar com um garoto sem sentir-me paranoica, deixando as coisas rolarem no seu devido tempo (mesmo que, no fim, isso tudo não tenha saído do ambiente virtual).
   Em 2017, fui totalmente honesta sobre um dos meus maiores problemas com a minha psicóloga, e que eu não tinha sequer conhecimento (por isso que eu amo tanto essa profissão!). Em 2017, aprendi a dizer "não" e a respeitar o meu corpinho exatamente da forma como ele merece (afinal ele é meu templo sagrado, não?). Em 2017, descobri o meu amor incondicional por gatos, me fazendo perceber, de novo, que gostos e preferências são relativos. Em 2017, reli o meu livro favorito da vida (e é um livro de vestibular, olha só). Em 2017, puxei conversa com dois crushes diferentes no cursinho (e como foi prazeroso conseguir ter feito isso!).
   Em 2017, ri tanto e não me preocupei se eu estava sendo ridícula rindo daquela forma, afinal rir é a melhor coisa do mundo (mas depois de abraçar, é claro). Em 2017, descobri que eu tenho uma amiga que é mais que minha amiga: é minha porto seguro, meu ombro quando eu preciso chorar, minha máquina de ouvir xingamentos quando eu quero somente estraçalhar a cabeça de alguém. Em 2017, aprendi a amar o meu corpo, os meus olhos, a minha sobrancelha, o meu nariz, do jeitinho que ele é: maravilhoso. Em 2017, eu percebi, percebi mesmo, que um das minhas maiores neuroses em mim mesma não passava de invenção, i-n-v-e-n-ç-ã-o, porque o meu corpo é perfeitinho do jeito que ele é e, alias, descobri também que alergia é alergia, só alergia, e não doença (infecciosa e nojenta, como meu ego sempre me falou a minha vida toda).
   Em 2017, percebi que cada coisa tem o seu devido tempo e, portanto, o fato de eu não ter passado de primeira no vestibular não me faz uma perdedora, pelo contrário: o fato de eu ter me permitido encarar toda essa jornada exaustiva e dolorida de estudos, tanto fisicamente como emocionalmente, me faz uma vencedora ainda maior, porque todo o meu esforço, que só eu sei o quanto ele existiu, vai ser recompensado. E aí sim vou me achar a maior vitoriosa do mundo, sensação que todo mundo merece sentir.
   Em 2017, aprendi que todo o meu contexto me fez ser o que eu sou, induzindo na construção das minhas barreiras, dos meus obstáculos, das minhas bolas de neve, das minhas inseguranças, mas também da minha determinação e dos meus valores mais profundos. E, portanto, os meus problemas não foram causadas por minha culpa, nunca foi. E, em 2017, eu também descobri forças em mim que quer desconstruir todos os probleminhas que afetaram a minha vida, social e individual, por tanto tempo: abraçando o meu passado, com todas as lágrimas e sendo a irmã mais velha que eu merecia ter sido para mim naqueles momentos tão obscuros, e corrigindo também posturas que me fizeram tão mal e que não as quero mais.
   Demorou para eu conseguir concluir esse texto, por motivos de vestibulares no início do ano e psicológico para conseguir me ordenar internamente, mas acho que estou finalmente conseguindo. 2017 foi um ano pesado, exaustivo, frustrante e desafiador, como eu disse inicialmente; mas foi um ano também tão intenso, tão grande, tão desafiador (no bom sentido), tão cheio de amor, tão cheio de aprendizados e experiências, tão cheio de desconstruções, tão humano, que eu não conseguiria sintetizá-lo em poucas palavras.
   2017 foi um ano necessário para a minha vida pessoal, e sem dúvidas seria um ótimo fechamento para esse ciclo que vivenciei por todo esse ano (mas que pareceu, sem dúvidas, ter se passado por muito mais tempo). Mas, como uma das coisas que eu aprendi nesse ano também foi de tentar aceitar as coisas que vêm para a gente, mesmo sendo inicialmente extremamente ruins, para tentar absorver delas as coisas mais boas que podem nos oferecer; caso isso não seja um encerramento, está tudo bem também.
    Eu somente sou intensamente grata por todo esse ano, turbulento, mas inesquecível, e espero que 2018 também me traga coisas boas. Que em 2018 eu continue tendo essa visão otimista que eu venho tentando desenvolver, e que eu consiga orgulhar as pessoas que eu mais amo nesse mundão inteiro (mesmo sabendo que eles já tem orgulho de mim, e essa sensação não tem preço).
   E que, por fim, em 2018 eu sinta ainda mais orgulho da pessoa que eu estou me tornando.

15/12/2017

Frustrando-se


   Aspire, expire. Está tudo bem. Deixa eu te abraçar, te lembrar o quão maravilhosa você é. Deixa eu te apertar nos meus braços e te fazer se sentir melhor. Você é uma pessoa incrível, você é sensacional, não se lembra? 
   É incrível como as vezes algumas palavras que falo parecem terem sido ditas de boca para fora. É muito fácil abraçar as outras pessoas, as que você ama demais, e dizê-las que está tudo bem, que elas deram o melhor delas e que as vezes a gente acaba se decepcionando com as coisas, porque infelizmente a vida não é somente um mar de flores. Valemos muito mais do que alguma coisa tão... material. Números não te definem, nota não te define, comentários alheios não te definem, você se define, suas atitudes te definem. É isso que eu sempre digo para as pessoas ao meu redor, e com todo o meu coração, porque eu realmente acredito nessas palavras. Acredito imensamente, aliás! 
   Tenta se conformar que está tudo bem, mas no fundo se sente tão instável... como se qualquer comentário desafiador pudesse te machucar mais do que deveria. Está tudo bem, você deu o seu melhor, resultados ruins também fazem parte! Por que é tão difícil digerir tudo isso?
   Abro meu computador e sou bombardeada de tantas novidades... eu estou feliz por elas, elas conseguiram, parabéns! Mas por que eu também me sinto tão... triste? Não quero decepcionar ninguém, já basta ter que lidar com o meu próprio ego, mas isso é difícil quando as pessoas colocam tanta fé em seu futuro! "Você vai passar, eu acredito em você", eu realmente fico muito grata por seu comentário (mesmo!), pois eu compreendo a sua intenção por trás dele e muito obrigada mesmo, de coração! Mas não é isso que eu quero ouvir! Já basta a pressão que eu coloco em mim, não quero decepcionar ninguém... 
   Uma nota não te define... mas parece definir o curso dos meus pensamentos. Deixa-me confusa, atordoada, sem saber o que fazer. As escolhas são minhas, não são? Eu posso escolher o que eu creio que seja melhor para mim? Escolha com o coração... mas não decepcione todas essas pessoas que botaram tanto fé em você. Isso é um absurdo! Minha vida, minhas escolhas, não é tão simples assim? Pois eu não consigo me afastar da ideia de que as pessoas irão me julgar... Logo ela, que se dedicou tanto? Não conseguiu? Comentários alheios não te definem...
   Aspiro, expiro. É incrível como quando eu penso que as coisas vão melhorar, parecem que elas apenas se dificultam mais. Eu tinha que ter escolhido algo tão difícil? Eu sei que sou capaz de me empenhar mais um ano... Mas eu não poderia ter facilitado um pouco o caminho não? Siga o seu coração... Eu estou tentando seguir, mas é difícil. E é muito mais difícil do que aparenta ser, porque só quem já viveu tudo isso sabe exatamente o que é sentir isso. E isso só me deixa ainda mais frustrada!
11.02.2017

26/11/2017

Um poesia dedicada a você

   Agora eu estou pirando de ansiedade. 
  Hoje eu fiz uma da prova que sempre, inconscientemente, pensei que não fosse para mim. E depois de horas, que mais pareciam eternidades, de espera, eu finalmente pude ver o meu desempenho real nessa prova, a qual tanto me dediquei, e eu chorei. Chorei, como chorei exatamente num mesmo contexto um ano atrás, quando eu contava os meus acertos e via que não havia sido o suficiente. Só que dessa vez eu achei que foi. E eu não acreditei. Chorei na frente dos meus pais, só por ter ido bem, como eu mesma esperava, numa das provas mais difíceis que eu já fiz (e eu odeio chorar na frente de outras pessoas). E esta foi só a primeira etapa, certamente, que me separa de alcançar o meu sonho, mas ir bem nessa prova que me desafiou o ano inteiro me fez sentir bem. Foi como se eu estivesse dizendo para a Mayara de um ano atrás: "Viu, eu sabia que você conseguiria. E conseguiu". 
    Senti que fosse capaz de novo, de tudo. E eu sou. 
   Então eu também sou capaz de desabafar algumas palavras que não foram ditas a você. Palavras que você merece ouvir, ou pelo menos, eu mereço dizer a você. Palavras que entalaram a minha garganta por quase 365 dias, e que eu pensei que tinha conseguido engoli-las. 
    Pois bem, não consegui.
   Posso dizer que eu criei expectativas, muitas, aliás. Quando me permiti conversar com você, e entregar a você alguns dos meus pensamentos mais íntimos. E você os aceitou. E isso me encantou. Você me encantou.
   Em poucos dias eu já não conseguia conter a minha ansiedade, queria conversar com você a todo momento, deixava-me inclusive ficar horas e horas no rolar da madrugada rindo com as coisas que você falava. Você é engraçado. E isso me contagiava. Queria rir pelas coisas que você dizia a noite inteira. Até que o sono me apagasse, mesmo com meus protestos.
   É difícil escrever essas coisas, finalmente, porque eu ainda sinto que tudo isso foi tão recente. Mas ao mesmo tempo parece que já se passou uma eternidade.
   Você sabia exatamente o que falar para mim nos meus momentos mais escuros, quando eu mesma duvidava da minha própria capacidade. Eu havia tornado transparente grande parte dos meus maiores monstros, coisa que eu dificilmente faço, pela confiança que você me emanava. E eu adorei isso, realmente. 
   Você sabe, ou não: eu sou dramática. Gosto de inventar histórias, e talvez eu tenha inventado a nossa, mas no momento errado. No ritmo errado. Antecipadamente. E fui vivendo todo aquele enredo sozinha. Até que eu me decepcionasse com você pela primeira vez.
   Veja, a culpa não é estritamente sua, eu criei idealizações demais. Mas você me decepcionou. E, mesmo que parecesse um detalhe minucioso, isso me machucou de uma forma surpreendente. Porque eu havia te idealizado, e aprendi, talvez de uma das piores maneiras, que pessoas não devem ser endeusadas. Eu não sou uma deusa, uma boneca de porcelana, e você não é um príncipe encantado. E nunca será.
   Eu havia criado esperanças, meu maior defeito, e isso amplificou o meu desapontamento. E, mesmo que eu já sentisse que estava me recuperando dele, seria falsidade não desabafar que ainda sinto resquícios que de vez em quando me machucam. Tipo agora, momento em que a ansiedade parece controlar o fluxo de meus pensamentos.
   Se você estiver lendo isso, quando estiver lendo isso, eu só quero que você saiba a verdade. Não te desejo o mal, pelo contrário, te admiro demais, mas só quero que você perceba, que eu perceba, que não era para acontecer, mais do que aconteceu. Eu me conectei de uma forma extraordinária com você, mas percebi que ainda temos anos luz de diferenças, e infelizmente, ou felizmente, isso nos separa imensamente (ou pelo menos neste momento). 
   Você é incrível. É carinhoso. É atencioso. É extremamente empático. E todas as palavras que te disse são extremamente verdadeiras, ditas com todo o meu coração e a minha alma. Mas não estamos na mesma órbita. Eu te admiro demais, mas não partilhamos de um mesmo momento, de mesmas ambições, de mesmas emoções. 
    Coloca uma coisa na cabeça, Mayara: não é para você estar com ele. 
    Só não era para acontecer mais do que aconteceu. E está tudo bem! 

17/01/2017

Crise de sensações


   Não saber definir o que se está sentindo é uma das sensações mais frustrantes e ao mesmo tempo mais bizarras. Sim, bizarras. Nessa confusão de sentimentos, eu não saber como descrevê-lo para alguém, ou ao menos para mim mesma, é tão bizarro que chega até a ser engraçado. Engraçado.
   É engraçado como, mesmo tendo toda uma forma de pensar na minha cabeça, moldado a partir de vários momentos de reflexões e diálogos - ou monólogos - comigo mesma, eu ainda não sei como agir e reagir quando sou posta em cena. Sem roteiros, sem ninguém cochichando na colcheia e me dando uma forcinha... Não, sem ajuda alguma. Como se o universo, ou qualquer outra força superior, quisesse a todo momento nos testar e ver como nos saímos quando dependemos apenas de nós mesmos. E isso não é ruim.
   Veja, isso não é ruim. Assim como Neil Gaiman já afirmou, correr atrás de algo incerto é muito mais gratificante, e incrível, do que correr atrás de um futuro previsível, afinal, em metades das vezes você possui a oportunidade de se surpreender (e a outra metade das vezes serve para fazer você se levantar e se fortalecer para a próxima caminhada). Tudo isso é tão claro na minha mente, até porque uma das coisas que a minha parte racional mais me fala é "não tenha medo de viver o inesperado" e coisas desses tipo. No entanto, parece que toda vez que ela acaba confrontando com o meu lado emocional, eu tenho uma crise.
   Crise. Crise de sensações. Será que isso existe mesmo? Eu não sei o que sentir, o que pensar, como agir, como respirar fundo e seguir para a próxima etapa. Respirar fundo, é o que eu preciso fazer. Aspirar, expirar. É essa bendita ansiedade, querendo sempre já pular para a última cena sem o filme ter sequer se iniciado. Eu quero tanto, tanto, mas a minha parte emocional sempre esquece de todo o percurso necessário até que finalmente alcancemos o resultado que tanto almejamos. A minha parte racional sabe disso, crê mesmo que a melhor parte sempre é a caminhada. Mas eu quero logo, agora.
   Não consigo respirar. Eu quero ter o controle do que estou sentindo, só isso! Não quero mais sentir isso, podemos voltar a harmonia, ao invés de vivenciar essa arritmia? Fecho os olhos, passo as fotos, hesito, rolo os olhos. Eu gosto de descrever, não de sentir. Eu gosto de inventar, não de viver. E, no final, tudo isso não passa de mentiras. 
   Por que o "vou deixar, a vida me levar" parece não funcionar comigo? Eu quero ser leve, menos intensa, mas eu não sou. Se eu sinto algo, sinto até a pontinha do meu dedinho. E isso é maravilhoso, mas que nesse momento só me causa irritação. Quero me entregar à leveza da vida, mas não consigo. Preciso questionar o que estou sentindo a cada segundo, e quando eu não sei essa resposta, assim como nesse exato momento, eu piro. Como eu estou pirando agora. 
   Mas eu sei que, no fundo, eu gosto muito e muito mesmo de viver, de sentir tudo isso, até porque a vida é assim: uma caixinha de surpresas. Eu só preciso soltar de uma vez por todas esse controle remoto e respirar fundo, deixar a brisa bagunçar os meus cabelos. Afinal, as coisas não deixam de estar seguindo um curso, e eu fico feliz de não saber como ele é.